Novo sistema de entrega de drogas melhora tratamento de diabetes e câncer

Abordagem permite liberação constante e controlável de drogas petídicas, como a insulina, ao longo do tempo.

Cientistas da Duke University, nos EUA, desenvolveram um novo sistema de entrega que melhora a aplicação de drogas peptídicas, proteínas muito pequenas, no tratamento de doenças tais como diabetes e câncer.

Há mais de 40 medicamentos peptídeos aprovados para utilização em seres humanos e mais de 650 estão sendo testados em ensaios clínicos. Um exemplo é a insulina, peptídeo que regula o metabolismo dos hidratos de carbono no organismo e é usado como um medicamento para tratar o diabetes.

Apesar da sua eficácia, fármacos peptídicos não podem alcançar todo o seu potencial por um número de razões.

Eles são rapidamente degradados no sangue e são rapidamente eliminados do corpo, o que requer múltiplas injeções frequentes.

Devido a isso, as concentrações de peptídeo no sangue podem subir abruptamente logo após a injeção e cair drasticamente logo em seguida, causando efeitos secundários indesejáveis para os pacientes.

Um método popular para resolver este problema envolve o carregamento de drogas peptídicas em microesferas de polímero que são injetadas sob a pele e degradam lentamente para liberar o fármaco peptídico.

Essa abordagem tem se mostrado útil, mas tem muitas questões relacionadas com a sua fabricação e a facilidade de uso do paciente, segundo os pesquisadores.

“Nós queríamos saber se poderíamos criar um sistema que faz o que as microesferas de polímero fazem, mas se livra das microesferas e é menos arriscado para os pacientes”, afirma o pesquisador Ashutosh Chilkoti.

A nova abordagem implica a produção de uma “proteína de fusão”, que consiste de múltiplas cópias de uma droga peptídica fundida com um polímero sensível ao calor do corpo.

A molécula de fusão é líquida na seringa, mas transforma-se em uma geleia quando injetada por via subcutânea.

Enzimas na pele, em seguida, atacam o depósito de droga injetada e liberam as cópias do peptídeo, fornecendo uma liberação constante e controlável do fármaco ao longo do tempo.

A autora do estudo Miriam Amiram e seus colegas apelidaram o novo sistema de entrega de POD.

Nas últimas experiências, os pesquisadores fundiram glucagon-like peptide-1 (GLP-1), hormônio que regula a liberação de insulina, com um polímero sensível ao calor para criar POD.

“Notavelmente, uma única injeção do GLP-1 POD foi capaz de reduzir os níveis de glicose no sangue em ratos por até cinco dias, que é 120 vezes mais do que uma injeção do peptídeo sozinho. Para um doente com diabetes do tipo 2, seria muito mais conveniente para injetar uma droga, uma vez por semana ou uma vez por mês, em vez de uma vez ou duas vezes por dia. Além disso, esta abordagem evita os picos de concentração da droga que geralmente ocorre nestes pacientes”, observa Chilkoti.

Ao contrário dos microesferas carregadas com peptídeos, PODs também são fáceis de fabricar, porque a droga peptídica e o polímero sensível ao calor são feitos de aminoácidos.

Eles podem ser construídos como uma grande extensão de aminoácidos por bactérias manipuladas.

Fonte: R7 Saúde