Acidente vascular cerebral e Ioga

Ioga é capaz de melhorar a reabilitação de pacientes: equilíbrio, flexibilidade, locomoção, além de aumentar força e resistência muscular.

Acidente vascular cerebral e ioga

Ioga melhora reabilitação de pacientes que sofreram acidente vascular cerebral (AVC). Estudo realizado por pesquisadores dos Estados Unidos mostra que um programa de oito semanas da atividade é capaz de melhorar equilíbrio, flexibilidade, locomoção, além de aumentar força e resistência muscular.

O projeto desenvolvido por pesquisadores da Richard L. Roudebush VA Medical Center, da Indiana University-Purdue University Indianapolis e da IU Bloomington submeteu veteranos mais velhos que se recuperavam de um AVC à ioga. De acordo com informações publicadas pelo site Medical News Today, os voluntários do sexo masculino e do sexo feminino haviam completado o tratamento ocupacional pós-AVC, mas continuaram a apresentar prejuízos relacionados ao derrame.

A líder do estudo, Arlene Schmid, observa que a perda de força funcional, flexibilidade e resistência é comum após um acidente vascular cerebral, que pode levar à incapacidade em longo prazo. “Os médicos precisam de métodos para gerenciar e melhorar essas deficiências físicas pós-AVC”, alerta.

O estudo liderado pela pesquisadora,”Physical Improvements After Yoga for People With Chronic Stroke”, examinou os ganhos de força funcional, flexibilidade e resistência como resultado da ioga e constatou melhorias significativas em todas as áreas. Segundo ela, a ioga é capaz de melhorar o controle neuromuscular, permitindo melhorias na força em membros afetados, assim como no lado ou áreas em desuso.

Já o professor Tracy Dierks centrou sua análise sobre a forma como os participantes do estudo poderiam andar após o programa. Em “The Effect of Balance Exercise Therapy on Gait Parameters in Individuals With Chronic Stroke”, ele relata que após o programa de ioga, os participantes do estudo apresentaram melhoria no equilíbrio e velocidade de marcha, com passos mais longos ou largos.

“Resultados do nosso estudo da marcha têm potencial de impactar a prática clínica para a recuperação da mobilidade”, diz Dierks, que continua: “a intervenção com ioga foi projetada para melhorar o equilíbrio, não a marcha, (…) mas vimos grandes melhorias na maioria das medições clínicas de marcha.”

Com os resultados encontrados no estudo Schmid sugere que seja apropriado incluir a prática de ioga na recuperação de pessoas que sofreram um AVC. Ela observa, que a atividade deve ser orientada por um terapeuta que além de ioga, tenha treinamento em anatomia e fisiologia, além de orientações sobre como trabalhar com portadores de deficiência.

Fonte: iSaúde